Por que a Microsoft não escolheu o nome Windows 9 e sim...

Por que a Microsoft não escolheu o nome Windows 9 e sim Windows 10?

886
2
COMPARTILHAR

No dia 30 de setembro de 2014 a Microsoft anunciou oficialmente a versão do seu novo sistema operacional. Enquanto muito se falou em nomes como Windows 9 e Windows Threshold, a Microsoft surpreendeu a todos ao nomear o novo sistema operacional como “Windows 10”. A partir dai muitos perguntaram: Por que Windows 10 e não Windows 9? A explicação vem logo abaixo e faz todo o sentido.

O conteúdo abaixo foi extraído do site Gizmodo.
Fonte: http://gizmodo.uol.com.br/windows-10-nome

——————————————————–

Esta semana, o Windows 10 pegou todo mundo de surpresa: por que ele tem esse nome? Cadê o Windows 9? Terry Myerson, chefe do Windows, apenas disse misteriosamente que “quando você vir o produto em sua plenitude, eu acho que você vai concordar conosco que [Windows 10] é um nome mais apropriado”.

No entanto, há uma explicação não-oficial muito convincente para a Microsoft deixar o Windows 9 de lado: esse nome faria diversos programas pararem de funcionar.

O usuário cranbourne do Reddit diz:

Sou desenvolvedor Microsoft. Rumores internos dizem que os primeiros testes revelaram que muitos produtos de terceiros tinham código na forma

if (version.StartsWith (“Windows 9″))
{/ * 95 e 98 * /
} Else {

e que esta foi a solução pragmática para evitar isso.

Explicamos. Para verificar qual versão do Windows o usuário está rodando, uma maneira fácil – e ruim – é ler o nome do sistema operacional. O código acima lê “Windows 9″ e entende que o sistema operacional deve ser o Windows 95 ou o Windows 98.

A não ser, claro, que exista um Windows 9.

Parece que muitos programadores não acharam que existiria outra versão “Windows 9x”, ou não se importaram de preparar seu software para o futuro. Infelizmente, isso é muito comum,especialmente em código Java:

Reprodução

Quem tem alguma experiência em programação sabe que há um jeito melhor de fazer isso: detectando a versão do kernel. O Vista é 6.0; o Windows 7 é 6.1; o Windows 8 é 6.2; o Windows 8.1 é 6.3; e o Windows 10 é 6.4 – isso sem contar as versões para servidor. (Você pode checar a versão digitando “winver” no menu Iniciar e teclando Enter.)

Ou seja, se seu programa é compatível com Windows 7 ou superior, basta permitir que ele rode em kernel de versão 6.1 ou superior. No entanto, até isso causa problemas.

Em 2011, Uday Shivaswamy disse na conferência Build que a Microsoft testou seis mil programas para identificar o efeito de mudar a versão do kernel de 6.1 (Windows 7) para 6.2 (Windows 8). Dos programas testados, 400 deles (7%) “falhavam instantaneamente”, seja na hora de instalar, seja na hora de rodar. E a Microsoft não podia fazer nada: cada programa precisava de uma solução diferente.

Chamar o próximo sistema operacional de Windows 9, então, traria dois problemas: uma versão diferente do kernel, e um nome que poderia ser confundido com Windows 95/98 por causa de um código preguiçoso.

Esta teoria é bastante sólida, mas provavelmente nunca saberemos se ela é real. A Microsoft apenas diz em comunicado que o Windows 10 “não é uma mudança incremental, e sim um novo Windows que irá capacitar o próximo bilhão de usuários”.

O Windows 7 também causou uma polêmica por causa do nome. Como a Microsoft contou até sete? A empresa explicou na época que o “Windows 4″ são as versões 95/NT 4.0/98/Me. O “Windows 5″ é o Windows 2000/XP/Server 2003/Home Server. E o “Windows 6″ é o Vista e Server 2008. [Reddit via Extremetech]

2 Comentários

Deixe uma resposta